Livro Vontade Popular e Democracia: candidatura Lula?

Livro Vontade Popular e Democracia: candidatura Lula?

Gostaria de agradecer a todos que estiveram presentes esta semana no lançamento do livro “Vontade Popular e Democracia: candidatura Lula?”, em São Paulo. 

O resultado final dessa obra coletiva é um verdadeiro tratado em defesa da democracia e da participação popular, com contribuições de juristas, acadêmicos e alguns autores de outras áreas das ciências sociais.

Fico extremamente honrada de ser uma das coordenadoras da obra, assim como ajudar a promover o seu evento de lançamento.

Com prefácio de Fernando Morais, a obra possui artigos de juristas, acadêmicos, cientistas políticos e sociólogos, e faz uma análise sobre democracia, soberania popular, direito à candidatura, participação popular e a atuação do Judiciário. 

Durante o evento foram convidados os autores Aldo Fornazieri, Eugênio Aragão e Valeska Teixeira Zanin Martins para debater o livro. Fernando Morais, escritor que admiro, também foi convidado a falar sobre a obra. Weida Zancaner e Celso Antônio Bandeira de Melo contribuíram com opiniões importantes sobre a regra constitucional que garante a presunção de inocência até o trânsito em julgado da condenação penal.

Quem teve a oportunidade de estar presente no debate, sentiu bem o tom e a qualidade da obra. Como diz meu querido Fernando Morais, é de suma importância a abundância de reportagens, ensaios, livros escritos por juristas e acadêmicos publicados e lançados recentemente sobre a atual conjuntura da país.

A História contará com momentos como esse para entender o que se passou nesse período da democracia brasileira.

Esperamos realizar novos lançamentos, em breve, em Brasília, Salvador e Curitiba.

Clique aqui para adquirir o livro.

Livro: Vontade Popular e Democracia – O Caso Lula

Editora: Praxis

Organizadores: Eugênio Aragão, Gabriela Shizue Soares de Araujo, José Francisco Siqueira Neto e Wilson Ramos Filho

A utilização da figura do “inimigo” para supressão de direitos fundamentais: resultado de um desequilíbrio institucional que ameaça a democracia no Brasil

A utilização da figura do “inimigo” para supressão de direitos fundamentais: resultado de um desequilíbrio institucional que ameaça a democracia no Brasil